.comment-link {margin-left:.6em;}

quinta-feira, Setembro 23, 2010

 

folhas de mim...

dentro das minhas
folhas
sonho as palavras
falo em silêncio
leio entrelinhas
visto-me de letras
envolta nas emoções
dispo-me de medos
insatisfeita
deslumbro-me com ilusões
navego num mar de segredos
que não me contei
suspiro um vendaval
de desabafos celestiais
recolho-me em conchas e búzios
em forma de oração
(re)vejo-me em reflexos de espelhos
lambo as feridas do passado
vivo o ontem
o hoje e o amanhã
lavo as lágrimas
e nasço num futuro
oferecido agora
em mil sorrisos
a preto e branco coloridos
colo-me em mil pedaços
poço de contradições
desejo(-te)
por entre as folhas
e descanso tranquila!

Bedina

______________________

terça-feira, Setembro 07, 2010

 

JULGAMENTO Pedófilo

Quando o fumo encobre o fogo…

JULGAMENTO PEDÓFILO

A sentença foi clara e em força!
As vítimas inocentes da Casa Pia
Viram chegar a culpa aos acusadores
Sentiram-se um pouco mais leves
Das suas tristezas, das suas dores
Mas… quem diria: o ruído constante
Em todo o lado, dos abusadores
Proclamando a sua inocência
E levando o povo na mão
Para hipotética absolvição!!!

Se para mim é insultuoso e dói
Como não será para as pobres vítimas
Que vêm os culpados pavonear-se
Como se de inocentes se tratasse…
A CSocial quer torná-los heróis,
A eles os safados e hediondos pedófilos,
Aos juízes culpam de terem sido justos…
E tanto irão fazer, gritar e gemer
Que muitos acreditarão
No que eles querem fazer crer!

A verdade é que foram considerados
Os culpados com penas das que não dá
Para suspender…
Nunca ninguém esquecerá a sentença
Nem nunca mais ninguém os quererá ver!
Fez-se justiça finalmente!
Apesar das influências de alto “poder”
E de muitos ficarem de fora a ver…
A maçonaria não conseguiu o que queria
E na justiça fez-se “dia”!!!

Bedina
7/9/2010

sábado, Maio 02, 2009

 
Percorro o olhar pela imensidão
Das águas que correm serenas
À minha frente para lado nenhum
Espanta-me o seu poder
Não entendo o seu querer
Sossega a minha alma
Traz serenidade onde havia turbulência
Compraz-me deixar-me envolver

Numa tão grande avalanche
Que me dá o mote dum viver
Nunca imaginado mas poderoso
E grande, tão grande que
Quase me posso perder…
Não tem perigo pelo muito do meu saber
Mais jovem fosse e não saberia que fazer…
Não faz mal eu não entender
Basta deixar-me levar,
de toda esta imensidão me aproximar,
e usufruir sem mais nada desejar!

Bedina

domingo, Abril 05, 2009

 
...tanto me deu e tem dado que pensar...
por aqui muito me veio visitar,
coisas antigas e já passadas,
coisas novas...de luto trajadas,

mas sempre a esperança..

essa que posso encontrar,
quando em sã entendimento,
me possa sobre o meu poço debruçar...

Bedina

quarta-feira, Março 18, 2009

 

...o caminho...

o caminho que sigo…

posso fazer o caminho que quero…
mas qual o mais certo o mais adequado
ao meu actual e permanente estado?

não quero caminhar sem me dar conta
de quem me procura e se põe ao meu lado
quero olhar em frente e seguir com

um sorriso nos lábios já gastos
pelo tempo em que mal se abriam…

quero ir o mais a direito que puder

sem me deixar levar por pressas
stress ou outro pretexto qualquer…
com fé é na frente que se põem os olhos
já cansados de tanto evitar ver…

não quero dar nunca por finda a caminhada
não quero atrasar-me no meu destino
quero acompanhar o ritmo de tudo onde há vida!

Bedina

sábado, Março 14, 2009

 
luz difusa…

não te percebo
não te enxergo
eu quero ver
mas tu escondes-te
disfarças-te
mal te aproximas
e eu queria tanto
vem de vez
não te percas
no caminho da incerteza

não aguentaria
tanta crueza…
torna-te clara,
ó luz difusa,
que me atrais e
de quem tanto espero!
preciso perceber
bem o que és… serás nada?
ou serás musa?

Bedina

terça-feira, Fevereiro 24, 2009

 

...pode ser qualquer um...

Não importa quem está no retrato…

Olhar indefinido, pestanas a valer,
Um colo a prumo e erguido
Um meio sorriso a derreter
Não há gestos nem sinais
Não há movimento sequer
Apenas ali estampado o rosto


Mais que parado do ocupante
Que se pretende retratado…

Depois… depois uma pincelada
Para tornar mais viva e apetecida
A imagem que se quer acabada
Mas que se torna pouco interessante
Porque afinal está muito parada
Não desperta curiosidade mas está lá
O tal retrato que em vez de sol é em fá,
Dum personagem imaginado, quiçá!

E o mais estranho é que pede
Para ser emoldurado…
Que fazer com tal assombração?
Fazer-lhe a vontade, pois então…
e…pô-lo em que lugar?

Numa parede despida de gente
Que esteja disposta a recebê-lo
E consinta em se deixar furar!

Bedina

This page is powered by Blogger. Isn't yours?